Programa Formare na Santos Brasil completa dez anos de histórias de sucesso

A Santos Brasil está celebrando dez anos do início da primeira turma do Programa Formare com importantes números: 270 jovens formados, 97 contratados pela Companhia e 1.800 horas de aulas práticas e teóricas ministradas pelos próprios funcionários da empresa no Tecon Santos – o maior terminal de contêineres da América do Sul.

Pioneiro no setor portuário, o Programa Formare na Santos Brasil, realizado em parceria com a Fundação Iochpe, oferece curso profissionalizante, direcionado aos jovens de 18 e 19 anos provenientes de famílias em situação de desvantagem econômica e social, residentes em Guarujá e que estejam cursando o 3º ano do Ensino Médio ou que já concluíram o curso nas escolas públicas do município.

A iniciativa está alinhada à diretriz da Companhia de apoiar ações de inclusão social, com ênfase em educação, promoção da cidadania e desenvolvimento da sociedade. Atende também a uma necessidade de todo setor portuário por novos profissionais qualificados e facilita a entrada destes jovens no mercado de trabalho. “O Formare é um projeto muito importante para a Companhia, pois além de treinar e qualificar jovens das comunidades onde estamos inseridos, nossos funcionários educadores compartilham seu tempo e talento”, diz Béatrice de Toledo Dupuy, gerente de Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da Santos Brasil.

A essência do sucesso do Programa na empresa ao longo destes dez anos é a participação e o engajamento dos funcionários que atuam como educadores. Atualmente, esse time conta com 80 pessoas envolvidas diretamente no curso, mas durante essa década de Formare no Tecon Santos, já foram mais de 400 funcionários que compartilharam seu tempo, talento e conhecimento para auxiliar na transformação de tantas vidas. Num círculo virtuoso, muitos jovens que passaram pelo curso e depois foram contratados pela Companhia, retornam à sala de aula e passam a desempenhar um novo papel: o de educadores para as novas gerações de alunos Formare.

Entre ex-alunos que voltaram à sala de aula para educar, está Anderson dos Santos Paulo, de 25 anos, admitido na Santos Brasil logo depois de concluir o Formare, em 2012. Ele entrou como auxiliar balanceiro e, durante esse período, teve duas promoções. Atualmente, atua comoAssistente de Operações de Importação e abraçou a missão de ser educador na disciplina de Operações Logísticas e Portuárias. “Já que eu tive essa chance, resolvi fazer pelo próximo. Acho que os alunos se identificam comigo porque fui um deles. É muito gratificante ver os olhos deles brilhando”, conta.

“O exemplo da Santos Brasil não deixa dúvidas: o melhor ambiente de aprendizagem é a empresa. A Fundação Iochpe está em constante movimento para promover a inserção de mais jovens no mercado de trabalho, por meio de parcerias como essa. Uma combinação transformadora, capaz de gerar forte impacto social. O Programa Formare é reconhecido por garantir alto índice de empregabilidade para seus alunos, a continuidade dos estudos em nível superior, além de promover a cidadania entre empresas e comunidades”, diz Beth Callia, coordenadora geral do Programa Formare na Fundação Iochpe.

Histórias que inspiram

Com tantos anos de troca de experiências e aprendizagem, é fácil encontrar casos de sucesso entre quem já cursou ou ainda cursa o Formare na Santos Brasil.

Jeniffer Andrade, por exemplo, frequentou as aulas na primeira turma, em 2009, quando tinha 17 anos. Ela foi contratada três meses após finalizar o curso para trabalhar na área de Relacionamento com Clientes. Hoje, já com 27 anos, ela faz suporte na gestão do mesmo setor onde começou. Segundo ela, o Formare foi um alicerce para sua vida profissional e fez com que o porto se tornasse uma paixão. “Já admitida, fiz curso técnico em Administração e duas faculdades, Comércio Exterior e Marketing. Mas o Formare foi primordial para tudo que conquistei”.

Na turma mais recente, que começou a ter aulas em agosto de 2018, um dos destaques é Pedro Henrique Galdino, de 20 anos, que foi chamado para trabalhar na área de Excelência de Gestão, recém-criada na empresa. “O contato com o cotidiano portuário e com o dia-a-dia da Companhia abriu meus horizontes. Hoje, já sei que a área ligada à gestão é a que mais me interessa”, diz.